Medidas de biossegurança e serviço remoto são foco de reunião de profissionais da SAS

Campo Grande, 13/03/2021 às 13:54

Coordenadores dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), Centros de Convivência, gerências e técnicos da Superintendência de Proteção Social Básica da Secretaria Municipal de Assistência Social se reuniram no auditório da Secretaria Municipal de Educação (Semed) para discutirem a organização do trabalho e o alinhamento das ações durante o ano de 2021.

Além das ações, o cumprimento rigoroso das normas de biossegurança e os serviços remotos também foram foco da reunião. Desde o início da pandemia, em março do ano passado, as 31 unidades de Cras e Centros de Convivência trabalham com as normas de biossegurança, mas com o aumento recente de casos de Covid-19 na Capital, o controle das medidas será redobrado.

O novo cenário imposto pela pandemia foi abordado pela vice-prefeita, que falou sobre as ações adotadas pela gestão municipal que têm sido destaque nacional no combate ao avanço da doença. Ela também lembrou o trabalho de excelência de reordenamento realizado nas unidades da SAS ano passado.

Na época, a Prefeitura implantou acolhimentos provisórios, o que possibilitou a readequação da oferta de serviços para a população em situação de rua, migrantes e estrangeiros. A estratégia chamou a atenção de governadores de diversas capitais devido à sua efetividade, principalmente no aceite e acesso dos usuários aos serviços oferecidos pela Assistência Social do município.

“Na área de acolhimento fomos exemplo para todo o Brasil. Tivemos a visita da secretária nacional de Brasília que veio conhecer o reordenamento de nossas unidades. Vamos trabalhar com total efetividade, mas a parceria de vocês vai fazer toda a diferença nessas ações, priorizando os cuidados básicos para conter esse vírus, como a utilização de máscaras e o uso do álcool em gel”, frisou Adriane Lopes.

Já o secretário José Mário reforçou a importância de garantir um ambiente seguro nas unidades. “Este é um momento de preservar vidas. Todas as nossas unidades estão equipadas e organizadas para atender a população com total segurança, por isso todos temos que fazer nossa parte”, disse.

O quantitativo de atendimento nas unidades terá um acompanhamento mais rígido para evitar aglomerações, já que as unidades também atendem demandas espontâneas e não apenas serviços agendados.

Caso seja observado que o número de atendimentos esteja interferindo nas regras de biossegurança, as unidades passarão a agendar os serviços, em especial no que diz respeito ao Cadastro Único.

 

Atendimento remoto

Com a suspensão dos serviços presenciais, a implantação do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos na modalidade remota vem garantindo o atendimento de um público que necessita de acompanhamento dos profissionais das unidades. O objetivo é investir nessas ações à distância, por meio dos canais digitais com a postagem de atividades sócio-educativas em grupos de WhatsApp e redes sociais.

Uma novidade que começou a ser implantada há poucos dias é o atendimento via telefone, destinado às pessoas que têm dificuldade em acessar a internet.

Os profissionais abordaram também a importância da coesão dos planos de trabalho para que a população seja atendida de modo uniforme em todas as unidades. “É fundamental que todas as unidades trabalhem no mesmo perfil com a mesma modalidade. Temos que oferecer um serviço alinhado em toda a rede de Assistência Social”, comentou a superintendente Inês Mongenot.