Prefeitura e Estado iniciam em junho recuperação de lago do Parque das Nações

7Z2A9135 (Copy) Foto: David Majela

Campo Grande, 23/05/2019 às 16:51

A recuperação dos lagos do Parque das Nações Indígenas, tomados por bancos de areia, objetivo do termo de compromisso que o governador Reinaldo Azambuja  e o prefeito Marquinhos Trad assinaram  nesta quinta-feira (23), começa em junho com o retirada dos peixes e o esvaziamento do lago principal,  tarefa sob encargo do Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). A previsão é que sejam investidos R$ 8 milhões, sendo R$ 5 milhões por parte da Prefeitura de Campo Grande e o Governo do Estado complementa com R$ 3 milhões.

Durante a assinatura do termo o prefeito ressaltou a parceria entre os governos e frisou que é mais um passo positivo, responsável e maduro que vem beneficiar a população.

“Vai devolver à população aquilo que lhe pertence. Afinal de contas, esse é o objetivo de todos aqueles que buscam um mandato no Executivo. Nós recebemos, da maioria da população, a solidariedade e a determinação por um lapso temporal para cuidar dos equipamentos públicos e entregar, na medida do possível, funcionando de maneira com que eles possam usufruir”, afirmou o prefeito.

Após o esvaziamento do lago, a prefeitura vai iniciar o desassoreamento, com a retirada de 140 mil metros de areia, serviço que deve demorar 90 dias, exigindo 11.600 viagens de caminhões.  O material será usado para recomposição de uma área degradada na saída para Três Lagoas, próxima ao Autódromo de Campo Grande.

O Governo do Estado vai repassar R$ 1,5 milhão e a prefeitura  vai completar com mais R$ 500 mil para custear este serviço que exigirá a locação de duas retroescavadeiras hidráulicas, além de pelo menos 20  caminhões com capacidade para transportar  de 10 a 15 toneladas.

O governador Reinaldo Azambuja fez questão de frisar que prefeitura e governo estão buscando uma solução definitiva para os problemas ali encontrados.

“Poderia só tirar a areia do lago, sim! 20 mil caminhões mais ou menos resolveria. Mas daqui há 5, 10 anos, novamente. Não só retirar o sedimento, se não fizer a bacia de contenção no córrego Reveillon acima da Mato Grosso para ser um ponto de apoio para segurar e reter os sedimentos, nós não resolveríamos o problema. São as obras que vão resolver definitivamente o problema. Que bom que firmamos mais uma parceria em favor da nossa capital”, disse o governador.

Após a retirada da areia, começa a implantação da comporta móvel, custeada por uma  construtora como parte de um termo de compromisso, para regular o nível de água do lago principal  (evitando seu transbordamento). O lago passará a funcionar como um mega piscinão com capacidade para reter 65 mil metros cúbicos de água.  De acordo com o secretário Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, isto vai ajudar a evitar enchentes na região do Shopping Campo Grande, além de reduzir a pressão sobre a vazão do Córrego Prosa, ao receber as águas dos seus afluentes.

“É uma obra que além de limpar e desassorear o lago do Parque das Nações, essa área tão importante e tão usada por todos nós, vai evitar as enchentes que tem trazido muitos transtornos para todos que usam a região. O projeto da bacia detenção está na fase final”, contou o secretário Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos.WhatsApp Image 2019-05-23 at 16.29.05

Já Jaime Verruk, secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, fez questão de frisar a importância que o Parque tem para a sociedade sul-mato-grossense.

“Quantas pessoas vêm ao estado e imediatamente vão ao parque. Diariamente cerca de 2 mil pessoas frequentam o parque, e de 5 a 6 mil pessoas por fim de semana. Isso sem nenhum evento”, informou.

Para 2020 estão programadas as obras complementares, necessárias para evitar que o lago, um dos principais cartões postais de Campo Grande, volte a sofrer com assoreamento.

A  Prefeitura vai construir um piscinão (com capacidade para reter 22 milhões de litros de água), na esquina das avenidas Mato Grosso com Hiroshima, perto da nascente do Córrego Reveillon. Suas águas atravessam a Mato Grosso por um tubo armado de 2,5 metros de diâmetro implantado pela prefeitura sob a avenida,  entram no Parque das Nações e desembocam no Joaquim Português, formando os dois lagos.

No menor deles, o Governo vai construir outra bacia de detenção de sedimentos (areia) que não vão mais cair no lago principal. Também estão programadas obras de controle de erosão e recomposição vegetal nas margens do Joaquim Português.

Rede Municipal de Sites e Serviços On-line de Campo Grande MS

http://www.campogrande.ms.gov.br/