Prefeitura capacita mulheres para movimentar a economia solidária

Campo Grande, 23/03/2017 às 14:20

Para movimentar a economia solidária e ajudar mulheres a reconhecerem suas habilidades e as transformarem em geração de renda, o Fundo de Amparo à Comunidade (FAC), Secretaria de Assistência Social (SAS) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Ciência da Tecnologia (Sedesc) estão trabalhando em projetos de capacitação e empreendedorismo.

A ideia vislumbrada pela vice-prefeita Adriane Lopes e pela primeira-dama Tatiana Trad tomou corpo após elas fazerem uma visita técnica na incubadora municipal do Bairro Santa Emília e verem ali, não apenas um centro de capacitação e empreendedorismo, mas uma oportunidade de empoderamento feminino.

A vice-prefeita Adriane Lopes pontua que apesar de vermos cada vez mais mulheres chefiando as famílias, muitas não têm formação e precisam se capacitar para poder cuidar de seus filhos e seus lares. “A gente vê em Campo Grande muitas mulheres em busca de emprego, mas quando pergunta se elas têm capacitação, a resposta é não. Por isso, na nossa gestão pretendemos capacitar mulheres para o mercado de trabalho e dar oportunidade para elas”, diz.

Para isso, a parceria entre o Fundo de Amparo à Comunidade, a Secretaria de Assistência Social e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Ciência da Tecnologia já está em andamento. Utilizando os espaços já existentes – como as incubadoras e os Cras – serão ofertados os mais diversos cursos de capacitação.

Os cursos serão escolhidos por região, após pesquisa de mercado. “Nós vamos fazer pesquisas locais e em cima dos resultados ver qual é a necessidade de cada uma. Há comunidades, por exemplo, que atuam com agricultura familiar e as mulheres querem produzir alimentos, doces, e etc. Outras regiões é o artesanato. Então, vamos ver a necessidade e oferecer o que é melhor para elas”, cita.

Incubadoras

Nas visitas técnicas, também foram constatadas dificuldades a serem solucionadas como: estrutura precária, falta de colaboradores para suprir a demanda dos empreendedores incubados e ausência de parceiros. A Sedesc já está trabalhando para solucionar estes problemas e colocar as incubadoras em pleno funcionamento.

Outra ideia vislumbrada foi o fornecimento de alimentos das incubadoras na merenda escolar. O gerente de fomento ao empreendedorismo, Marcos Silva, explica que a iniciativa pode ajudar a desenvolver os projetos. “Elas identificaram que na incubadora de alimentos há produtos que estão aptos para serem fornecidos na merenda escolar, como o mel, o pão de semente de baru e produtos feitos do pequi”, afirma.

Se concretizado isso, os alimentos vão complementar a merenda e impulsionar a economia local com produtos nutritivos e tradicionais.

O primeiro curso a ser ministrado, emenda a primeira-dama Tatiana Trad, será o “Páscoa para Viver e ser Feliz”. No curso as mulheres vão receber um kit com um quilo de chocolate, forma de ovo de páscoa, papel de embrulho, avental e leite condensado para fazer os ovos. O material dá para fazer quatro ovos.

“Queremos despertar esse empreendedorismo nas mulheres, mostrar que elas são capazes de fazer algo diferente, de mudar a realidade de suas famílias, de ter um ofício. Sem dizer que o curso também dá a possibilidade de essa mulher presentear sua família. A gente sabe que o ovo custa caro e com esse kit, ela vai poder produzir quatro ovos”, salienta.