Funcionários e usuários de Cras participam de palestra de conscientização e prevenção ao suicídio

Campo Grande, 17/09/2021 às 14:20

Os mitos e preconceitos que envolvem a depressão foram alguns dos temas abordados na palestra “Desmistificando o Suicídio”, realizada nesta sexta-feira (17) pelo psicólogo Eliezer Grillo, para funcionários e usuários do Cras “Alair Barbosa de Rezende”, nas Moreninhas, onde ele atua também como técnico. O evento ainda marcou o encerramento do curso de Cerâmica, organizado pela Gerência de Trabalho e Ações de Cidadania da Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS).

A vice-prefeita Adriane Lopes e o secretário municipal de Assistência Social, José Mario Antunes, participaram da palestra e da entrega de certificados aos usuários que concluíram o curso. “Oferecer uma palestra com essa temática é de suma importância e mostra uma sensibilidade para atender a população. Tudo isso é visão, transformação de realidade, que é o que os cursos ministrados nos Cras também fazem. Eu acredito na força do trabalho porque quando aprendemos algo novo, fortalecemos o emocional. Esses cursos, além da autonomia financeira, proporcionam uma transformação na vida das pessoas”, ressaltou a vice-prefeita.

Para o secretário José Mario, a preocupação em levar informações que envolvem a saúde mental aos usuários da rede de Assistência Social do município é fundamental no combate ao preconceito. “Essa consciência de antever um problema tão sério é necessária para ajudar quem está enfrentando doenças como a depressão. Só com informação podemos auxiliar de forma correta. O que faz a diferença é a nossa união para desenvolver atividades que contribuem com o bem-estar de nossos usuários”, disse.

O coordenador do Cras, João Henrique Lima Bezerra disse que a proposta foi gerar uma reflexão sobre a importância da prevenção do suicídio, seus impactos na sociedade e na família. “A ideia também é informar e dar um suporte emocional aos servidores para que eles atendam os usuários que chegam mais fragilizados à unidade. Quando identificamos os fatores de risco, fomentamos uma rede protetiva, diminuindo os estigmas relacionados ao tema”, pontuou. Ainda segundo o coordenador, a ideia é organizar com frequência ações educativas com a comunidade local.

Fortalecimento de vínculos

Atenta às explicações do psicólogo durante a palestra, a dona-de-casa Ancelma Benitez Vareiro, elogiou a iniciativa e disse que vai compartilhar o conteúdo com parentes, já que em sua família há casos de depressão. Foi para evitar a doença que ela contou ter participado do curso de cerâmica pela primeira vez.

Viúva e moradora do bairro há 20 anos, ela viu na atividade, a oportunidade de fazer amizades. “Apesar de conhecer muita gente aqui, fiz muitos amigos. Isso também me ajudou porque fico muito tempo sozinha. Por causa da pandemia não sai de casa por mais de um mês, por isso é importante aprender uma atividade para passar o tempo”, contou Ancelma.

A superintendente de Proteção Social Básica das SAS, Inês Mougenot explicou que atividades alusivas ao “Setembro Amarelo” estão sendo desenvolvidas nas unidades de Cras, Centros de Convivência e Centros de Convivência do Idoso que retomaram o atendimento presencial do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.

Pelo menos 1,5 mil usuários estão sendo contemplados com palestras e atividades socioeducativas. Como o retorno do serviço ocorre de forma gradativa, respeitando o protocolo de biossegurança, as atividades remotas também continuam sendo desenvolvidas.