Agronegócio e Água – Israeli Agriculture Technologies

Um antigo provérbio afirma que a necessidade é a mãe da invenção – e não há ilustração mais clara dessa realidade do que o vibrante setor de tecnologia agrícola de Israel, que possui um dos principais ecossistemas AgTech do mundo – um feito impressionante quando se leva em conta que o país tem apenas 2 milhões de hectares e 20% de terra arável.

O país é referência em tecnologias de dessalinização da água do mar. O conhecimento é exportado para outras regiões afetadas por secas e estiagens prolongadas, como a Califórnia. Além disso, ali foi inventada a técnica de microirrigação (gotejamento e microaspersão) que viabilizou tornar as terras desérticas em zonas de plantio.

Com o deserto do Negev respondendo pela maior parte de sua área e sem vínculos diplomáticos ou comerciais com seus vizinhos, Israel fez o deserto florescer com muita engenhosidade e esforço, sendo o país pioneiro tecnologias de irrigação por gotejamento para agricultura de precisão.

Israel carece de recursos hídricos e tem mais da metade do seu território coberta por desertos. Mesmo assim, a pequena nação do Oriente Médio atualmente exporta frutas e fez nascerem flores onde antes só existia areia. A água é um insumo chave para o desenvolvimento sustentável! O investimento no setor nunca foi só uma questão política para Israel, mas uma decisão estratégica, sendo impossível superar a escassez com táticas improvisadas.

Mesmo com fortes investimentos em irrigação e reuso que colocaram Israel na vanguarda da gestão hídrica, o país continuava muito dependente das fontes naturais de água, incluindo o Mar da Galileia. Cada vez que seu nível baixava por falta de chuva, o fantasma da escassez voltava a assombrar. A solução veio nos anos 2000: em apenas uma década, Israel construiu várias usinas de dessalinização, que transformam a água do mar em água potável. Juntas, elas fornecem quase a metade da água que os israelenses consomem.

Como parte dos acordos de paz, fornece água para a Jordânia e Palestina e nos dias de hoje mais de 13 milhões de pessoas vivem entre o Mediterrâneo e o Rio Jordão (incluindo Israel, Gaza e Cisjordânia). A água disponível satisfaz às necessidades de todos. Um “milagre” que só foi possível graças a inovações tecnológicas.

Mercado de Frutas em Israel

Embora o setor agrícola seja visto como um retardatário na adoção da inovação, considerando o crescimento significativo da população global e os desafios das mudanças climáticas, gerenciamento de recursos e suprimento de alimentos, tecnologias como big data, inteligência artificial, irrigação inteligente e Internet das coisas serão vitais para o futuro da agricultura.

Ultimamente, casos de crise hídrica em algumas regiões criaram uma preocupação sobre o uso da água. Nesse sentido, o agronegócio é colocado muitas vezes como o “vilão” na utilização dos recursos hídricos ao competir com o abastecimento das cidades. No entanto, a atividade agrícola é de extrema importância na oferta de alimentos e seus desafios estão voltados para novas formas de produção, onde o foco é a utilização sustentável dos recursos, ou seja, produzir mais em menos espaço e utilizando menos água e insumos. As novas tecnologias da agricultura de precisão estão associadas à combinação em tempo real sobre clima, cultivo e solo, oferecendo diagnósticos precisos para a tomada de decisão do produtor.