COPRAD

coprad

COORDENADORIA DE PROTEÇÃO À POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA E POLÍTICAS SOBRE DROGAS

Coordenadora: Bárbara Cristina Fernandes Rodrigues

Tem como objetivo assegurar o acesso amplo simplificado e seguro da pessoa em situação de rua e/ou usuária de drogas aos serviços e programas que integram as políticas públicas de saúde, assistência social, educação, previdência, moradia, segurança, cultura, trabalho, renda, esporte e lazer para o desenvolvimento de políticas intersetoriais, transversais e intergovernamentais bem como o enfrentamento a discriminação visando á reinserção familiar e social.

ÚLTIMOS EVENTOS

AÇÃO PARA REINSERIR MORADORES EM SITUAÇÃO DE RUA NO MERCADO DE TRABALHO REÚNE SEIS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS DE CAMPO GRANDE

IMG_8660

Campo Grande, 30/04/2019 às 16:33

Na tarde de terça-feira (30), a SDHU (Subsecretaria de Defesa dos Direitos Humanos), em parceria com a Funsat (Fundação Social do Trabalho), realizou o 1º Motiva Ação. Em alusão ao Dia do Trabalhador, o evento visa orientar pessoas em situação de rua e em tratamento da dependência química para a reinserção no mercado de trabalho.

Os 250 trabalhadores que compareceram na sede da Funsat fazem parte de seis comunidades terapêuticas, onde são realizados tratamento em dependência química, com acolhimento e acompanhamento.

IMG_8665O  Prefeito Marquinhos Trad destacou a força de vontade de mudar de cada um desses moradores em situação de rua. “A ação vem da força de vontade de vocês e continuem agindo conforme os princípios que vocês estão aprendendo. Vocês tem ajudantes espirituais que lutam com vocês”, frisou Marquinhos.

Para o diretor-presidente da Funsat, Cleiton Franco, o objetivo desta ação integrada  é reunir o maior número de pessoas para orientar nos serviços oferecidos pela Funsat, como confecção de carteira de trabalho, cadastro no sine, inscrição nos cursos de qualificação.

“Através da qualificação profissional e da aprendizagem continuada, vamos mudar a vida dessas pessoas. Nosso objetivo hoje foi alcançado. Conseguimos reunir mais de 250 pessoas em vulnerabilidade, em situação de rua. Vamos orientar e reinserir essas pessoas no mercado de trabalho”, ressaltou o diretor-presidente da Funsat.

O Subsecretario Ademar Vieira Júnior ressaltou a importância da parceria entre Prefeitura e as secretarias para dar oportunidade para quem precisa. “É importante essa parceria entre as secretarias e subsecretarias,  mostrando que a Prefeitura  é uma unidade só e a motivação de você  estar  buscando esses moradores em situação de rua no momento que quiseram se recuperar, através do apoio da prefeitura. Trazer para a Funsat em busca de emprego e uma oportunidade de trabalho. Isso que a sociedade espera dos gestores. É essa ação de mobilização para ajudar quem precisa”, concluiu.

Em conformidade com o PAIC (Programa de Ação Integrada e Continuada) e COPRAD (Coordenadoria de Proteção à População de Rua e Políticas sobre Drogas) os participantes receberam orientações sobre os serviços gratuitos oferecidos e também sobre documentos e procedimentos para a realização do cadastro no SINE/Funsat.

Para Jurandir Machado, 28 anos,  essa oportunidade é única e muito importante. “Permaneci por quatro anos envolvido com drogas, e nunca tive essa chance de poder crescer, com a oportunidade que a Prefeitura esta abrindo posso fazer planos para o futuro”, comenta Jurandir.

Ao final, os participantes ainda puderam participar de uma palestra com a doutora Laura Massuda, que abordou o tema ‘’Mundo do Trabalho’’.

Comunidades Terapêuticas

São instituições privadas, sem fins lucrativos, que prestam serviços de acolhimento de pessoas com transtornos decorrentes ao uso, abuso ou dependência de substâncias psicoativas. O acolhimento é realizado em regime residencial, de forma temporária e exclusivamente voluntária.

OUTUBRO ROSA: SAÚDE E BELEZA

O referido evento Saúde e Beleza faz parte do Programa de Ação Integrada e Continuada – PAIC que tem como primazia a efetivação das políticas públicas para a População em Situação de Rua e dependentes de substâncias psicoativas.

O outubro rosa tem atuação voltada à saúde da mulher.

Considerando que assaúde e beleza mulheres que outrora estavam em situação de rua e hoje estão acolhidas na Comunidade Terapêutica Esquadrão da Vida no tratamento da dependência química, em concordância com a Política Nacional Para Inclusão da Pessoa em Situação de Rua, visando a reinserção social, prevenindo a recaída, bem como dando  prioridade ao trabalho integrado, respeitando a singularidade de cada pasta e/ou OSCV teremos um dia especial. Das 08 às 16:30h, como segue:

 

– Dia 30/10/2018b às 14h – Manicure e Pedicure com profissionais da Embelleze;

– 08 às  09h – Aulão Funcional com professoras da Funesp;

– 9:30 às 10:30h – Palestra com a Presidente /CEAD;

– Intervalo Para Almoço;

– 13h – Momento Beleza ( Corte de Cabelo, Escova, Maquiagem)

– 15:30h – Palestra sobre  Valorização da Vida – SEMU

– 16h – Distribuição de Material Pastoral da Aids

– 16:30h –  Enceramento com falas das autoridades, sorteios e entrega de kits e coffe break.


 

 

PREFEITURA E COMUNIDADES LEVAM TRATAMENTO A MORADORES EM SITUAÇÃO DE RUA

7Z2A7767 (Copy)

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Subsecretaria de Defesa dos Direitos Humanos, através da Coordenadoria de Proteção à População de Rua e Políticas sobre Drogas, firmou um Termo de Cooperação com comunidades terapêuticas para assegurar o acesso amplo e seguro da pessoa em situação de rua e/ou usuários de substâncias psicoativas aos serviços e programas que integram as políticas públicas de saúde, assistência, educação, previdência, moradia, segurança, cultura, trabalho, renda, esporte e lazer bem como o enfrentamento a discriminação visando a reinserção familiar e social.

7Z2A7690 (Copy)O Termo de Cooperação está dentro do Programa de Ação Integrada e Continuada – PAIC – que vem proporcionando a efetivação das políticas públicas voltadas para a população em situação de rua e desenvolve ações em conjunto com as políticas públicas municipais e sociedade civil organizada.

O recuperado Valgremir Santana Vieira, de 34 anos, que viveu 20 deles na rua, conta que foi através da Comunidade Esquadrão da Vida que resgatou a sua própria vida. Usuário de álcool e cigarro, ele perdeu tudo e agora está se recuperando.

“Cheguei a fazer outros tratamentos, mas recai. Aqui, eu mudei a minha história. Faz quase 9 meses que estou recuperado. Aqui eu consegui fazer meus documentos. Eu não tinha mais nada. Eu estava como um indigente, na rua. Aqui, eu tenho uma família que não tive lá fora e também estou recuperando a minha. Encontrei a minha tia. Ela abriu as portas de novo para mim, me aceitou novamente na casa dela. Eu pude entrar na casa dela, pude dormir, comer, assistir televisão. Coisa que quando eu estava na rua, eu não tinha oportunidade. As pessoas voltam a ter confiança na gente”, conta Valgremir.

7Z2A7705 (Copy)Há 7 meses na mesma entidade, Israel Correia da Silva, de 36 anos, conta que começou a beber e usar drogas e quando viu estava na rua.

“Eu morava com minha prima, trabalhava, mas ai comecei a usar drogas e a beber muito. Ficava com os amigos na rua, não ia ao serviço. Até que chegou uma hora que a minha família não me quis mais. Eu passei a roubar minha própria família e eles me expulsaram de casa. Ai eu aluguei um quarto, mas chegou uma hora que não conseguia mais pagar. Fui pra rua. Fiquei em uma depressão tão forte, que eu quis pular do pontilhão. Nesse dia eu encontrei um amigo e ele me levou para a igreja, me trouxe pra cá e meu propósito é me recuperar”, conta.

A Prefeitura tem parceria com cinco comunidades, que desde novembro recebem R$ 1 mil por acolhido, como ajuda de custo mensal para os serviços prestados. A Comunidade Esquadrão da Vida oferece 50 vagas; a Comunidade Terapêutica Jaboque, 20 vagas; a Comunidade Terapêutica Cadri, 10 vagas, a Comunidade Terapêutica Certa, 10 vagas e a Comunidade Terapêutica Contaps, 10 vagas. O Termo de Cooperação tem validade por 1 ano.

7Z2A7740 (Copy)Presidente do Esquadrão da Vida, Pastor Samir Zayed conta que o trabalho na instituição começou há 18 anos e hoje, além da sede em Campo Grande, há uma unidade em Batayporã.

“Nosso trabalho é voltado para os dependentes químicos e moradores de rua. Atendemos cerca de 100 pessoas. Hoje, temos essa parceria e ela é de extrema importância, pois é muito difícil mantermos uma obra deste tamanho. São 5 refeições diárias e eles moram aqui. São 100 pessoas morando dentro da comunidade terapêutica. As despesas são muito altas, além dos salários da equipe terapêutica”, conta.

A coordenadora de Proteção à População de Rua e Políticas sobre Drogas, Bárbara Cristina Rodrigues, explica que o projeto segue a normativa nacional, baseado na política nacional de inclusão para pessoa em situação de rua.

7Z2A7854 (Copy)“Dentro desse projeto nós englobamos as comunidades terapêuticas. Cinco delas fazem parte do PAIC, dentro do Comitê POP-Rua, que foi empossado em 2017. A pessoa em situação de rua, em sua maioria, tem o problema da drogadição, que gera um problema social, um problema de segurança, de saúde e um problema também de assistência. Fizemos a junção intersetorial e o PAIC nasceu, e dentro dele este Termo de Cooperação, que é um recurso subsidiado pela Prefeitura de Campo Grande, onde as cincos comunidades recebem para as vagas sociais. São 100 vagas disponibilizadas”.

Para finalizar, o subsecretário de Defesa dos Direitos Humanos, Wellington Kester, pontua que um dos pontos mais importantes do trabalho á a qualificação e capacitação dos acolhidos.

“Por meio das parcerias com a Funsat, Semu e Sistema S, cerca de 100 acolhidos já foram qualificados para o mercado de trabalho e completaram o estudo do ensino fundamental, através de uma parceria com a Semed”, diz.

Rede Municipal de Sites e Serviços On-line de Campo Grande MS

http://www.campogrande.ms.gov.br/